“Salve Cosme e Damião! Salve toda a Ibeijada!”

Hoje temos a alegria de receber as mensagens passadas pela Criança/Erê Chiquinha. Ela é alegre e extremamente verdadeira, dando seus conselhos para transformar as nossas vidas. Espero que gostem!

Linha de Erês

Erês | Mahadeva Lakshmi“Oni Beijada!”

Os Erês trazem a alegria, a leveza, a harmonia e a felicidade para a vida das pessoas.

Existem divergências sobra a linha das Crianças: alguns dizem que são seres que nunca encarnaram, outros que são seres muito próximos aos orixás, outros ainda dizem que são espíritos que desencarnaram muito cedo e que hoje atuam como crianças. Enfim, o que sabemos aqui no GECE é que as crianças – ou Erês – são espíritos maravilhosos e de grande sabedoria.

Embora se apresentem com aparência infantil, possuem grande conhecimento e dão conselhos maravilhosos. São cheios de energia e gostam de brincadeiras, doces e não param de falar! Eles nos mostram que a vida precisa ser leve, sem ansiedades sobre o futuro ou angústias do passado. Viver o hoje plenamente é o mais importante, pois assim podemos construir um amanhã mais florido.

Geralmente essa linha se manifesta no dia de Cosme e Damião – 27/09 – através das festas dedicadas aos Erês. No entanto, algumas casas espíritas dedicam uma gira específica para esses amigos maravilhosos.

As crianças trazem bem-estar por onde passam, possuem o conhecimento de desfazer feitiços ou magias e auxiliam na cura de enfermidades. De uma maneira geral, seu campo de atuação é quebra de demandas, limpeza espiritual e renovação de energias.

Os Erês têm o poder de descarregar o ambiente das energias densas e deletérias, portanto, ofereça um doce de vez em quando para a sua criança, garanto que só fará bem a vocês!

Cosme, Damião e Doum

Cosme, Damião, Doum | Mahadeva Lakshmi

Os irmãos (gêmeos?) Cosme e Damião viveram por volta de 300 d.C. na Arábia. Sua família era católica e eles foram criados seguindo essa tradição.

Ainda jovens, decidiram estudar medicina e após formados, passaram a exercer atendimento à população carente. Os irmãos não cobravam nada pelos tratamentos e tudo faziam com caridade e dedicação. Para as crianças doentes, davam balas para a amenizar o sofrimento.

Essa fama despertou a ira do imperador Diocleciano, que deu ordens para que os dois médicos cristãos fossem presos, acusados de feitiçaria e de usarem meios diabólicos em suas curas. Os irmãos foram torturados e mortos por se negarem a aceitar os padrões religiosos do imperador romano.

Hoje santificados, Cosme e Damião são lembrados, através dos doces que costumavam distribuir como exemplos de solidariedade e cuidado.

Como havia muita repressão na época da escravidão no Brasil aos cultos africanos, os negros precisavam adorar suas divindades sempre associando a algum santo católico (sincretismo). Como cultuavam os orixás Ibejis, filhos gêmeos de Xangô e Iansã, os escravos associaram Cosme e Damião a esses. E por serem os Ibejis crianças, na data comemorativa dos Santos católicos criou-se a tradição de distribuir doces às crianças.

E Doum?

Nas representações na umbanda e no candomblé, junto aos dois santos aparece uma criancinha vestida como eles. Essa criança é Doum que personifica as crianças de até 7 anos. Para os adeptos de religiões de matrizes africanas, diz a crença que para cada dois gêmeos que nascem, um terceiro não encarna nesse mundo. Doum também é respeitado e adorado como da família dos Ibejis, mas é considerado “aquele que não veio”.

O mito de Doum servia de consolo quando a criança morria bebê ou no ventre da mãe.  A partida era entendida como um retorno desses seres divinos ao mundo do qual não conseguiram se despedir.

Chiquinha

E chegamos na história de vida e as mensagens transmitidas pela querida Chiquinha. Vamos saber um pouco mais sobre ela? “Salve as Crianças!”

Nossa linda Chiquinha nasceu em 1945 e desencarnou aos 4 anos de idade. Viveu em São Paulo, Capital. Única filha de um casal de descendência portuguesa, foi muito amada por seus pais e avós.

Com seus 4 anos, começou a ter dores de cabeça fortíssimas e febre alta. No mesmo dia, sua mãe a levou ao hospital e já foi internada imediatamente com suspeita de meningite.

Quando ouviu a notícia dos médicos, sua mãe de 23 anos teve um enfarto fulminante e desencarnou dentro do próprio hospital.

Sem saber que sua mãezinha havia partido, a Chiquinha ficou internada por três dias, vindo a desencarnar por complicações da doença. Durante esses dias, sua avó materna não saiu de seu lado.

Assim que chegou ao mundo espiritual, após um período de recuperação, a Chiquinha conseguiu rever sua mãezinha.

Trabalha no GECE e nos seus dias de consulta, diz que tem 8 anos – afinal a idade é dela e ela fala que tem quantos anos quer! Adora brincadeiras, doces (todos!!!), refrigerante de uva e quebrar suspiros na cabeça dos “amiguinhos” que vem conversar com ela.

“Mas isso só pode fazer nos dias de festa, né Tia?”

  • Quem quer ter, deixa de ser!

    Claro que é importante ter uma vida confortável, poder comprar o que gosta, viajar, festejar. A espiritualidade não é contrária aos bens terrenos, o que ela sempre nos mostra é que mais do que ter, devemos ser. De que adianta termos a casa mais bela e confortável, se não ajudamos que não tem onde morar? Ter a mesa sempre farta, até mesmo desperdiçando comida, enquanto tantas milhares de pessoas passam fome? Não é que temos que agir como São Francisco de Assis e renegar a todos os bens, mas temos que ser mais caridosos, empáticos. Tentar se colocar na posição do outro. A ajuda material é tão importante quanto a ajuda energética. O que você vibra ao ver notícias negativas? A televisão, atualmente, nos mostra sempre fatos pesados do cotidiano e como você lida com isso? Fica amargurada, fria, medrosa ou tenta mudar a egrégora ¹ negativa que já está formada? Sejamos mais humanos! Uma pandemia nos mostrou o quanto a natureza precisa ser cuidada, o quanto as pessoas estavam se sentindo sozinhas (sabemos de vários casos de depressão e até piores), o quanto dependemos uns dos outros. Faça você a diferença!

    ¹ Egrégora: força espiritual  criada a partir da soma de energias coletivas de pensamentos e sentimentos.

  • “Ninguém come doces de cara feia. Se a vida estiver dando problemas, coma um doce e fique alegre!”
    Na reunião, a Chiquinha disse que quando estamos tristes, na maior parte das vezes nos fechamos e ficamos olhando para o nosso problema. Ela deu a dica acima, mude sua frequência através da doçura e da alegria, sentindo prazer naquele momento e todas as coisas ruins serão afastadas como que por encanto!

  • “Não fique incomodado com os outros, tudo isso vai passar. Pense em sua felicidade e siga em frente.”
    Por que damos tanto valor aos ataques dos outros? Se alguém lhe fez algo ruim, não entre nessa vibração, afinal se você não deve, não há o que temer. Agora, se você deve, também não vai adiantar ficar remoendo o que falam de você, apenas mude! Você é a responsável pela sua felicidade. Essa moeda é sua, não a troque por mazelas insignificantes que tiram sua paz e trazem doenças. Tudo vai passar, querendo ou não.

  • “Quando a gente coloca o amigo como prioridade, as nossas dores ficam tão pequenas que a gente nem vê que tem problema.”
    Voltamos a ver o que todos os amigos sempre nos dizem: se nos colocarmos no lugar do próximo, se ajudarmos, se trabalharmos pelo bem alheio, nossos problemas serão transformados em pequenos incômodos que nem serão notados. Os que permanecerem ainda como grandes obstáculos (saúde, por exemplo) serão melhores compreendidos quando vemos a dor do próximo. A Lei Divina nunca nos abandona e seremos mais felizes ajudando ao próximo.

  • “Viva o exemplo de Jesus, doar-se é sempre a melhor opção.”
    Essa mensagem complementa a anterior. Temos o maior dos exemplos de amor, fé e caridade! Amor pela humanidade e pelos ditos inimigos, pois perdoou a todos sem exceção; Fé incondicional, afinal em seu calvário diz “Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que estão fazendo” e Caridade, pois nunca se colocou em primeiro lugar ou se fez grande entre os pequenos, ao contrário, mesmo com toda a sabedoria, auxiliava a todos e nunca pediu o reconhecimento a ele, sempre dizia “a sua fé o curou”. E então, qual exemplo escolhe seguir?

“Que o Papai do Céu esteja sempre com você e que a sua vida seja sempre muito doce. Distribua felicidade e ela sempre vai voltar muito maior pra você!

Um beijo e até a próxima conversa! Amém!”